Cuidado com suas filosofias!

“… cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas…” (Colossenses 2:8)

A bíblia é taxativa: a boa árvore produz bons frutos, mas para alcançar esses resultados são necessários alguns cuidados.  O pé de laranja lima, no quintal da casa em que cresci, produzia frutos saborosos.  Entretanto, frequentemente, minha avó cortava os brotos da cepa, que é laranjeira brava, combatia os fungos, cuidava das formigas.

Aprendi que na vida cristã acontece algo semelhante.  Cada cristão tem a sua vida enxertada em Cristo.  Desse modo, cada pessoa vive em duas ‘naturezas” ou realidades: a “velha natureza”, que puxa para o engano e o pecado, e a nova vida em Cristo, que busca a santificação.

A velha natureza tem prazer em deixar-se enganar pelas aparências, pelo esplendor, pelo exterior, pelas vantagens…  e a gente se assusta com que facilidade as pessoas são enganáveis!

Existem algum cuidado para não ser enganado na sua vida espiritual?  Sim! Existe!

Lembro-me da letra de uma canção que diz; “Convém que Jesus cresça mais e mais.  E que diminua eu e que perca satanás e assim teremos paz, mais e mais!”  O cuidado especial é este: que não percamos o alvo.

E qual é o alvo da vida cristã? Que Cristo seja formado em nós.  Ou como diz Paulo: … para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo (Cl 1:28).

Filosofia vã e enganosa é toda ideia – seja ela secular ou religiosa – que nega a nossa dignidade de filhas ou filhos de Deus.  Nós alcançamos essa dignidade pela graça de Cristo.  Tradições, proibições, regras e costumes devem ser analisados a luz do evangelho.

Enfim, toda religião ou fé que ensina que Cristo não é suficiente para dar plena salvação e dignidade é vã e enganosa.  Daí o alerta: cuidado para que ninguém os engane…

O Melhor vem sempre de Deus!

 Sabemos que, se for destruída a temporária habitação terrena em que vivemos, temos da parte de Deus um edifício, uma casa eterna no céu, não construída por mãos humanas. ( 2 Coíntios 5:1)

Quero refletir com você uma afirmação de Paulo: “Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê… (2 Co 4:18).  Perceba que coisa interessante, Paulo não tinha o seu foco principal no tempo presente, mas em algo futuro, na eternidade.

Isso não é comum nos nossos dias, seja fora ou dentro da igreja.  Quantas pessoas nós conhecemos com esse mesmo foco?  Quantas têm um anseio verdadeiro pelo tempo vindouro?  E quem não projeta como se tivesse o controle do seu tempo de vida na terra?  Pense e responda para si mesmo.

Tenho notado como o tempo tem passado rápido.  Tiago, irmão de Jesus, fala de uma verdade intocável: “Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã!  Que é a sua vida?  Vocês são como neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa”. (Tg 4:14).  Nesse processo de reflexão, vejo que não importa o que desejamos e ansiamos na terra, a proposta de Deus é melhor.  É para a eternidade.  Inclui bênçãos inimagináveis, que são reveladas somente pelo Espírito, não a todos, mas aos que nele põem a sua vida e seua esperança.

Fazer desse tempo algo realmente valioso para Deus, para o crescimento do Seu Reino, ainda que abdicando da própria vida, de interesses exclusivamente pessoais, é o que realmente faz sentido.  Paulo fez o que Jesus nos ensinou que deveríamos fazer:  “… bolsas que não gastam como o tempo, um tesouro nos céus que não se acaba” (Lc 12:33).  

Nós também precisamos fazer, desejando o incorruptível, o eterno.

Louvado seja Deus que nos dá a vida eterna! Aleluia!!

Compromisso ou interesse?

“Disse Jesus: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e concluir a sua obra”. ( João 4:14)

Nem todo envolvido na obra de Deus é, de verdade, alguém comprometido com ela.  

Há uma ilustração muito útil para definirmos a diferença entre envolvimento e comprometimento: o famoso “ovos com bacon” do café da manhã! Nessa ilustração, agalinha esta envolvida, ela é a fornecedora do ovo, ela participou do café da manhã, envolvida.  Porém, o porco está completamente comprometido pois “tem um pedaço dele” no prato.

Todo cristão deve ser uma pessoa comprometida com Deus. Infelizmente, isso nem sempre é assim.  Podemos observar esta verdade de diversas formas na vida de pessoas que frequentam uma igreja ou que se dizem seguidores de Cristo.

Verifique se você esta envolvido ou é um cristão comprometido.

O comprometido vê o Reino e a vontade de Deus, o envolvido vê seus desejos e as vantagens que pode tirar.

O envolvido precisa sempre ser estimulado; o comprometido procura estimular os outros.

O envolvido se habitua com a religiosidade; o comprometido busca, em Deus, uma nova forma de vida a cada dia.

O envolvido vai a igreja para encontrar Deus; o comprometido anda com Deus a todo o momento.

O envolvido sonha com a igreja ideal; o comprometido entrega-se para fazer uma igreja real.

O envolvido necessita de festas para ser alegre; o comprometido vive em festa porque é alegre.

O envolvido entrega uma oferta para ajudar a igreja; o comprometido entrega a sua vida como oferta, para ser usado por Deus.

A meta do envolvido e garantir seu lugar no céu; a meta do comprometido é ganhar almas para povoar o céu.

O envolvido espera um avivamento; o comprometido é parte dele.

O envolvido busca um Deus que se ajuste ao seu estilo de vida; o comprometido busca um estilo de vida que alegre a Deus.

O envolvido esta sempre pedindo a Deus por seus desejos; o comprometido entende os desejos de Deus e usa a sua vida para concretizá-los no mundo.

O envolvido pede aos outros que orem por ele; o comprometido ora pelos outros.

O envolvido espera que Deus dê um jeito no mundo; o comprometido é parte da solução de Deus para o mundo.

O envolvido pode se tornar apenas um interesseiro, mas o comprometido torna-se o mensageiro de Deus para o mundo, assim como Jesus.

E você? Está envolvido ou realmente comprometido com o Reino de Deus?

O TEMPO CERTO DE DEUS

Pondera a vereda de teus pés, e todos os teus caminhos sejam bem ordenados! (Provérbios 4:26)

Saber esperar o tempo determinado pelo Senhor faz a diferença entre obter a vitória ou sofrer amargas consequências.  Deus pode nos prometer algo, mas isso não significa que Ele o vai cumprir hoje ou amanhã.  Tudo acontecerá no tempo determinado.  Em outras palavras: na melhor hora, porque Deus não se adianta e nem se atrasa no cumprimento de Seus propósitos.

Deus nos conhece bem.  Sabe o que podemos e o que não podemos ter ou fazer, o que suportamos e o que não suportamos; se a nossa estrutura esta adequada ou não adequada para recebermos alguma coisa.  Assim, Ele determina o tempo mais apropriado para dar-nos a bênção. E nesse tempo, certamente já estaremos prontos para tomar posse dela.

Veja o que aconteceu a Abraão e a Sara.  Não interessava se Sara era velha; não importava se Abraão era idoso.  Na realidade, naquelas circunstâncias, não interessavam as leis biológicas, segundo as quais um casal de anciãos não tem capacidade para gerar filhos.  O que interessava era a garantia de que a promessa fora feita por Deus. 

Desde o nascente do sol, e desde o poente, fora de mim não há outro; eu sou o Senhor e não há outro.  Eu formo a luz e crio as trevas; eu faço paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas essas coisas (…) Ai daqueles que contende com o seu Criador” (Isaías 45).

Quem somos nós para dizer a Deus que alguma coisa está tardando, ou que tem de acontecer aqui e agora?  Aquietemo-nos, e aguardemos a hora de Deus.  Se Ele prometeu, é certo que nos dará a vitória – e na hora certa, pois Deus é zeloso.

No tempo apropriado, Sara deu a luz o menino. 

“E o Senhor visitou a Sara, como tinha dito; e fez o Senhor a Sara como tinha falado.  E concebeu Sara e deu a Abraão um filho na sua velhice, ao tempo determinado, que Deus lhe tinha dito” (Gn 21:1-2)

Aconteceu então o milagre com o nascimento de Isaque – nome que, sugestivamente significa “sorriso”, que viria ser um dos patriarcas dos hebreus e da nação de Israel.  Isso aumenta a nossa certeza de que se precisarmos de um milagre, o Senhor Deus estará ao nosso lado.  Aquele que opera maravilhas estará conosco.  Aleluia!!

Creia: Deus nunca perdeu o controle.  Tudo está, rigorosamente, debaixo da Sua permissão! 

Texto do livro “Tempo de Deus”do pastor Silas Malafaia. Adaptado

Capacitado? Eu?!

Deus me separou desde o ventre materno e me chamou para a Sua graça. (Gálatas 1:15)

Ninguém invocará alguém de quem nunca ouviu falar.  Para que alguém possa invocar o nome do Senhor e ser salvo, Deus precisa de pessoas que falem de Jesus.

Mas a pergunta é: Quem esta capacitado para isso? A quem Deus pode confiar uma tarefa tão importante?

Sabemos que há diferença entre pregações falsas e verdadeiras.  Alguns procuram tirar proveito da Palavra de Deus para alcançar riquezas e sucesso.  Paulo faz questão de dizer que ele mesmo não se escolheu, mas que foi chamado por Deus.

Uma semana antes de dar à luz, uma mãe caiu e quebrou a perna.  A situação era desesperadora.  Depois de voltar do hospital, ficou só com o bebê e com uma menina de quatro anos.  Logo descobriu que não era fácil carregar um bebê, andando com muletas.  A mãe teve que pedir ajuda da menina de quatro anos.  Ela colocava o bebê num carrinho de bonecas e pedia a filha que conduzisse o carrinho pela casa, mas o tempo todo, a mãe andava atrás, vigiando e cuidando.  Em momento nenhum ela tirava os olhos de seus filhos.  A menina de quatro anos foi de grande ajuda à sua mãe, mas se ela tivesse decidido fugir com o carrinho, o resultado teria sido outro.  A responsabilidade principal sempre esteve com a mãe.  A cooperação da filha dependia do controle da mãe sobre a situação.

Deus precisa de cooperadores que vivem na sua presença.  Significa que, em todo tempo, temos que trabalhar e agir abertamente perante Deus.  Devemos estar dispostos a receber a Sua orientação, sabendo que não somos capazes de fazer nada por conta própria.  Deus nos mostra grande confiança nos chamando para ajudar.  Cada um pode participar, mas o resultado dependerá de deixarmos Deus ficar no controle.

Nós não somos como negociantes – e há muitos por aí – que pregam para ganhar dinheiro. Nós pregamos a mensagem de Deus com sinceridade e com a autoridade que Cristo nos dá, pois sabemos que Deus nos observa. (2 Coríntios 2:17 – AM)

Buscando a Santidade

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. – Filipenses 4:8

Quando conhecemos a Jesus, cremos nEle e O confessamos como Senhor e Salvador, recebemos o maior presente que uma pessoa pode receber: a vida eterna e a segurança de viver para sempre com Cristo.  Essa salvação é dada pela Graça e é dom de Deus, e para tê-la apenas é preciso crer.

Uma vez salvo o homem dá início a outro processo, que é o da santificação.  Uma vez salvos, somos chamados a viver uma vida de santidade e pensar, agir e viver como Jesus.  É um processo que dura toda a nossa vida aqui na terra e termina quando glorificados, encontraremos com Jesus e viveremos diante com Ele na eternidade.  A salvação e a santificação são considerados temas bíblicos essenciais para a doutrina e até fáceis para serem compreendidos.  Entretanto, é mais fácil aceitar e praticar a primeira do que a segunda e muitas vezes, vivemos o nosso dia a dia “salvo” mas sem a busca da santidade.  Assim como a reforma protestante colocou em evidência a salvação pela graça e o homem entendeu que tem livre acesso ao Pai por Jesus, precisamos entender hoje que esta reforma é também um chamado a santidade.

Uma vida de santidade não é necessariamente uma vida de muitas atividades ou exposição pública, não tem a ver com a sua formação, títulos ou posição social mas, tem a ver com atitude, pensamento, coração e sentimento.  Precisamos agir como Cristo, ter a Sua mente, manter limpo o coração como puro é o coração dEle e sentir as coisas do mesmo modo que ele sente e nos manter humildes e prontos para ser o que Ele deseja que sejamos. (Filipenses 2:2-11)

A nossa santidade começa com o nosso relacionamento com Deus e é diretamente proporcional a intensidade desse relacionamento.  Quanto mais perto do Senhor, mais santo você se tornará.  Quanto mais tempo você dedicar a oração, a devocional, ao tempo de reflexão a sós com Deus, à busca pela vontade dEle, mais santo você será a cada dia.

O meu convite é para que você ajuste a sua vida, promova uma “reforma protestante de santidade” e tire o que precisar tirar da sua rotina para colocar mais tempo com Deus, para que você viva uma vida de santidade.

Que Deus o abençoe e o fortaleça nessa jornada!

O Coração Paciente

“Quem é tardio em irar-se é grande em entendimento; mas o que é de ânimo precipitado exalta a loucura.” (Pv 14:29)

O temperamento impulsivo e arrebatado é um problema para o ser humano, pois pode leva-lo a atitudes e ações que poderá, logo, se arrepender. Os impulsos positivos ou negativos, quando não controlados devidamente, conduzem o homem a atos e procedimentos que lhe trarão vergonha ou amargura cedo ou tarde.

Daí a profundidade do texto acima: o que controla a sua ira é grande em entendimento, em inteligência; o que se precipita em suas ações, exalta a loucura, ou como diriam os policiais: cometem atos tresloucados.

Gosto da versão da bíblia “A Mensagem” sobre este texto: “Quem tem entendimento sabe controlar a ira, mas quem se precipita só mostra estupidez.” (Pv 14:29)

O homem carnal, “velho homem” como diz a bíblia, é aquele que se deixa envolver pelas paixões da sua natureza humana, perdendo o controle sobre elas: se é o prazer, se torna um viciado, se é o espírito de liberdade, se torna um libertino; se é a ira, torna-se violento, brigão; se é ódio, torna-se um rancoroso e colérico.

O homem espiritual ou o “novo homem“, conforme a bíblia, é aquele que controla as suas paixões e sentimentos. Tem equilíbrio emocional. Não se deixa levar pelo entusiasmo fácil e momentâneo. Nem também pela ira ou raiva, que sabe controlar e atenuar.

Em Efésios 4:26, o apóstolo Paulo reconhece que a ira pode chegar ao coração do crente, mas que ele deve ter condições de resistir a ela. Quando Ele aconselha “irai-vos mas não pequeis” é incentivando-nos a controlar as nossas emoções, e não nos torna presas delas.

Como crente em Cristo Jesus revestimo-nos deste controle, e sejamos sábios e entendidos aos olhos do Senhor.

“Faz-me Senhor, resistir aos impulsos das emoções, reagindo a eles de forma controlada e equilibrada, para não ter do que me arrepender.”

Somos Uma Carta de Cristo

“Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo… ” (2 Coríntios 3:3)

Uma boa carta de recomendação pode ser útil quando estamos procurando emprego.  A carta deve dizer algo sobre as nossas qualificações, sobre o nosso compromisso e empenho.  No entanto, além de ler a carta de recomendação, a maioria dos empregadores quer conhecer o candidato pessoalmente.  Um encontro face a face, muitas vezes diz mais do que palavras escrita em uma folha de papel.

Paulo zombava dos missionários “famosos” que vinham vender-se com cartas lindas de recomendação à igreja de Corinto.  O seu próprio método de trabalho era completamente diferente.  Ele mesmo queria se fazer digno de confiança.  Paulo passou quase dois anos em Corinto trabalhando como fazedor de tendas.  Ele enfrentou a oposição dos Judeus e foi até processado, mas por meio do seu esforço, uma igreja surgiu naquela cidade.  Não era necessário analisar nenhuma carta para descobrir quem era Paulo ou o que ele representava.  Os Coríntios o conheciam e foram levados à salvação como resultado do seu serviço.  O próprio apóstolo foi uma carta pessoal de Deus à igreja em Corinto.  Uma carta viva que respirava e andava, fazendo um evangelho concreto e acessível para todos.

Deus usa palavras escritas na Bíblia para se comunicar com o mundo, mas ele também envia os seguidores de Jesus como cartas pessoais.

Somos uma carta de Jesus escrita para o mundo.  E, constantemente, somos “lidos” por aqueles que nos rodeiam.  O Espírito Santo trabalha para moldar uma imagem de Jesus em nós.  Essa imagem torna-se mais clara quando passamos tempo co Jesus aprendendo a viver de acordo com o seu grande mandamento de amor.

Que o Espírito Santo aja em sua vida e molde  uma imagem clara de Jesus para que você possa ser também, uma carta de Deus a este mundo.

Sofisma – Uma mentira com cara de verdade!

“Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo.” (Colossenses 2:8)

Já ouviu falar de sofisma? De acordo com o dicionário Aurélio, o sofisma é um “argumento capcioso com que se pretende enganar“. Popularmente se diz que o sofisma é uma mentira que parece verdade. Busca-se convencer o outro por meio de argumentações ilegítimas.

O diabo tentará usar estas falsas verdades para derrubar pessoas da fé. Não podemos esquecer que ele é o pai da mentira (Jo 8:44). Veja o queas Escrituras afirmam: “Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios”. (1 Tm 4:1)

O próprio Jesus precisou lidar com os sofismas. Foi tentado pelo diabo, que usou a Palavra de Deus de maneira distorcida para levá-lo ao erro. A arma usada pelo Mestre para destruir aqueles sofismas foi a própria Escritura Sagrada (Mt4″1-11). Jesus conhecia a Palavra. Em Oseias 4:6, Deus deixa claro que o povo é destruído porque lhe falta conhecimento.

Talvez o inimigo de nossa alma esteja atacando a sua mente com argumentos falaciosos, mentirosos para minar e destruir a sua fé e comunhão com Deus. Infelizmente muitos se deixam seduzir e apostatam da fé. Será que podemos anular esses sofismas? Sim! E nossa maior arma é o conhecimento da Palavra de Deus. Ela nos ensina: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará (Jo 8:32)